Três pedidos atendidos

Publicado em .

Naquele ano, um grande baque atingiu o coração do jovem casal. Seu filho, de apenas sete anos, partiu para a Espiritualidade.

Haviam sido meses exaustivos de cuidados até que a enfermidade o abraçou, minando-lhe a vida física.

Um ano depois, em férias, optaram por visitar a Turquia. Entre tantas paisagens maravilhosas, uma visita especial a Éfeso, à casa de Maria, a mãe de Jesus.

A edificação de pedra, no monte Rouxinol, recebe, anualmente, cerca de dois milhões de visitantes.  A grande maioria relata intensas emoções ao adentrar o local.

Não foi diferente com eles. De mãos dadas, andaram por entre aquelas paredes, lembrando a grandeza do Espírito de Maria de Nazaré.

Recordaram o que haviam lido em obras que relatavam a respeito de João ter ido a Betânia buscar a mãe de Jesus para que viesse morar com ele.

Recordaram... recordaram, enquanto os corações pareciam unidos em prece.

Na saída, sentaram em uma pequena mureta, contemplando o que faziam quase todos os peregrinos: escreviam em um papel três pedidos e colocavam o bilhete entre as pedras de um extenso muro lateral.

Ambos ficaram ali, olhando, e disseram um ao outro: Por que escrever em um papel o que desejamos, se Deus conhece o que vai na nossa intimidade?

Ademais, pensaram, como podemos pedir algo mais à Divindade? Nosso filho se foi, mas guardamos a certeza de que vive na Espiritualidade.

Nossa filha está bem. Nós temos saúde, emprego. Que mais poderíamos pedir?

Numa prece silenciosa, rogaram ao Pai Supremo que, se algo pudessem receber a mais, por Sua vontade, então que Ele lhes enviasse.

Retornaram ao Brasil e, mal passados dez dias, Oswaldo recebeu um telefonema. Era de uma cidade do Estado vizinho.

A questão era simples: três meninas estavam à disposição para adoção. Ele gostaria de adotá-las?

O número três lhe veio à mente, de imediato. Três pedidos poderiam ter sido feitos lá em Éfeso. Eles haviam deixado que Deus decidisse se mereceriam algo mais.

Agora, Deus estava lhes enviando três joias para sua casa.

O Divino Pai ouvira sua rogativa e a atendera.

Entre a emoção e a gratidão, telefonou para a esposa e juntos foram buscar as três pérolas que Deus lhes encaminhara aos generosos corações.

Dez anos se passaram. As joias cresceram, se desenvolveram e, repetidas vezes, entre abraços de amor, dizem ao jovem casal como sua presença é importante em suas vidas.

*   *   *

Deus ouve sempre as rogativas que lhe dirigimos e as atende.

Cabe-nos estarmos atentos para a correta tradução do que nos chega.

De um modo geral, não sabemos interpretar a resposta recebida. Isso porque a nossa vontade é de que o pedido fosse atendido exatamente como o havíamos concebido, em todos os detalhes.

Contudo, a Sabedoria Divina sabe o que nos seja melhor. Hoje, pode ser a negativa, o adiamento do que ardentemente desejamos.

Ou, então, algo em que não pensáramos mas que vem para abençoar nossas vidas.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita, com base
em fato, relatado por Oswaldo Feltrin.
Em 20.10.201